NO AR

REDE TVSUL

redetvsul.com

Destaques

Ataques no Mar Vermelho podem abalar economia global; entenda

Ataques de rebeldes Houthi forçaram empresas a desviar rota

Publicada em 13/01/24 às 09:06h - 33 visualizações

por TVSUL


Compartilhe
 

Link da Notícia:

 (Foto: Mídia Militar Houthi /Divulgação via REUTERS)

Os ataques de rebeldes Houthi no Mar Vermelho fecharam uma das principais rotas comerciais do mundo à maioria dos cargueiros.

Um encerramento prolongado da via, que se liga ao Canal de Suez, poderia complicar as cadeias de abastecimento globais e fazer subir os preços dos bens manufaturados num momento crucial na batalha para derrotar a inflação.

O Canal de Suez é responsável por 10-15% do comércio mundial, incluindo as exportações de petróleo; e por 30% dos volumes globais de transporte de contêineres.

Os combatentes Houthi, baseados no Iêmen e apoiados pelo Irã, dizem que estão se vingando da guerra de Israel contra o Hamas em Gaza.

Em meados de dezembro, os Estados Unidos anunciaram uma operação internacional para reforçar a segurança no Mar Vermelho. Contudo, os Houthis continuam na ofensiva – 21 mísseis e drones foram abatidos na terça-feira (9).

As forças dos EUA e do Reino Unido “subiram a banca” na quinta-feira (11), ao realizar um bombardeio no Iêmen para atingir alvos Houthi.

O presidente norte-americano Joe Biden classificou o ataque como uma resposta direta à ameaça representada à “liberdade de navegação numa das vias marítimas ​​mais vitais do mundo”.

E à medida que a crise aumenta, as ramificações para a economia global também se expandem.

Impacto no mercado

A Tesla está interrompendo a maior parte da produção de sua fábrica de carros elétricos na Alemanha, uma vez que os ataques interromperam o fornecimento de peças.

Soa pelo mundo um alerta para atrasos nas remessas e encarecimento do custo do transporte marítimo.

Os preços do petróleo também estão em alta – o Brent e o petróleo dos EUA subiram cerca de 4% na sexta-feira (12) – devido ao receio de uma guerra mais ampla no Oriente Médio que possa afetar o abastecimento.

Os mercados de energia já estavam nervosos depois que o Irã apreendeu um navio petroleiro no Golfo de Omã na quinta-feira.

Em relatório divulgado na terça-feira, o Banco Mundial alertou que a interrupção das principais rotas marítimas estava “corroendo a folga nas redes de abastecimento e aumentando a probabilidade de ‘estrangulamentos’ inflacionários”.

Seis das 10 maiores empresas de transporte de carga – como Maersk, MSC, Hapag-Lloyd, CMA CGM, ZIM e ONE – estão evitando em grande parte ou completamente o Mar Vermelho devido à ameaça dos Houthi.

O perigo para a tripulação, a carga e os navios forçou os transportadores a redirecionar os navios ao redor do Cabo da Boa Esperança, na África do Sul, resultando em atrasos de até três semanas.

O CEO da Maersk, Vincent Clerc, disse ao Financial Times na quinta-feira que o restabelecimento da passagem segura através do Mar Vermelho pode levar “meses”.

“Isso poderia ter consequências bastante significativas no crescimento [econômico] global”, acrescentou.

O comércio global caiu 1,3% entre novembro e dezembro, informou na quinta-feira o Instituto Kiel para a Economia Mundial da Alemanha, citando “as consequências dos ataques a navios de carga no Mar Vermelho”.

Os custos de envio já aumentaram, o que poderá, em última análise, refletir nos preços ao consumidor.

“Quanto mais tempo persistirem as perturbações, mais fortes serão os efeitos estagflacionários para a economia global”, escreveu o economista-chefe da Allianz, Mohamed A. El Erian, na semana passada no X, referindo-se a uma combinação de crescimento econômico baixo ou nulo e inflação elevada.

Se a guerra entre Israel e o Hamas se transformar num conflito regional mais amplo ou se os Houthis decidirem redirecionar os seus ataques para petroleiros e graneleiros, – que transportam matérias-primas cruciais como minério de ferro, cereais e madeira – as consequências para a economia global seriam totalmente mais severas.

“Num cenário de conflitos crescentes, o fornecimento de energia também poderá ser substancialmente perturbado, levando a um aumento nos preços da energia”, acrescenta o relatório do Banco Mundial. “Isso teria repercussões significativas nos preços de outras commodities.”

A ameaça aos preços da energia é o maior risco, segundo a Capital Economics.

“Embora as atuais perturbações no transporte marítimo não sejam suscetíveis de perturbar a tendência global de queda da inflação, uma escalada acentuada do conflito militar subjacente poderia aumentar os preços da energia, o que seria transferido para os consumidores”, escreveram Simon MacAdam e Lily Millard, economistas da empresa de consultoria em uma nota na semana passada.

A Oxford Economics também espera que a inflação continue a diminuir, mas ainda vê um risco ascendente para os preços.

Se os custos do transporte de contêineres se mantiverem em torno dos níveis atuais, – quase o dobro do registrado no início de dezembro – isso poderá aumentar a inflação mundial em cerca de 0,6 pontos percentuais, escreveu Ben May, diretor de investigação macroeconômica global da empresa, numa nota de 4 de janeiro.

Atrasos na entrega e preços mais altos

Algumas montadoras europeias redirecionaram suas remessas para o Cabo da Boa Esperança. “Isto implicou custos mais elevados e atrasos de cerca de duas semanas”, disse um porta-voz da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis.

Varejistas como a empresa sueca de mobília Ikea alertaram para atrasos nos envios e possível escassez de determinados produtos.

Da mesma forma, a empresa de vestuário britânico Next disse na semana passada que “as dificuldades de acesso ao Canal de Suez, se continuarem, poderão causar alguns atrasos nas entregas de estoque no início do ano”.

A Crocs também disse que os itens destinados à Europa estão demorando duas semanas a mais do que o normal para chegar. A empresa não espera um “impacto material” nos seus negócios por enquanto, mas que “continua a monitorar a situação de perto”.

As empresas em todo o mundo estão em suspense, esperando que a perturbação termine em breve, mas começando a tirar o pó dos planos de contingência implementados pela última vez durante a pandemia, caso isso não aconteça.

A Abercrombie & Fitch planeja usar frete aéreo sempre que possível para evitar atrasos, de acordo com um e-mail enviado a fornecedores visto pela Bloomberg.

“Mudamos os modos de transporte e/ou rotas de navegação quando necessário para manter o fluxo de mercadorias”, disse um porta-voz da empresa .

A situação pode piorar nas próximas semanas, à medida que os transportadores correm para retirar os pedidos da China antes que as fábricas fechem para o feriado do Ano Novo Lunar do país.

“As próximas cinco semanas que antecedem o Ano Novo Chinês, em 10 de fevereiro, serão muito difíceis para os transportadores e para o transporte marítimo”, disse Philip Damas, chefe da Drewry Supply Chain Advisors, em comentários gravados publicados online na segunda-feira (8).

Ele observou, no entanto, que o excesso de capacidade de transporte significa, de forma mais ampla, que as taxas à vista – o preço de remessas únicas de carga, em oposição aos preços acordados antecipadamente – “diminuirão novamente após o Ano Novo Chinês”.

Crise total

Além do aumento nas taxas de frete devido aos ataques no Mar Vermelho, as transportadoras estão aplicando sobretaxas de emergência.

Os “preços totais” de US$ 5.000 (R$ 24.374) a US$ 8.000 (R$ 38.998,40) por contêiner para as principais rotas comerciais com origem na Ásia são 2,5 a 4 vezes os “níveis normais” para esta época do ano, de acordo com estimativas de Judah Levine, chefe de investigação da empresa de logística Freightos.

No entanto, isso ainda está 45%-75% abaixo do “pico pandêmico” no final de 2021, observou Levine.

À época, a crescente procura de bens por parte dos consumidores domésticos colidiu com estrangulamentos de abastecimento, que iam desde a escassez de contêineres até ao congestionamento dos portos.

O desastre do Canal de Suez soma-se aos problemas existentes no transporte marítimo, com o tráfego através do vital Canal do Panamá já restrito devido a uma seca.

“Para as empresas que tentam transportar mercadorias em todo o mundo, há uma crise total neste momento – não se pode confiar no Canal do Panamá [e] não se pode confiar no Canal de Suez”, disse Carolina Klint, diretora comercial para a Europa da Marsh McLennan, uma empresa de serviços profissionais.

Algumas transportadoras marítimas que normalmente transitam pelo Canal do Panamá foram redirecionadas para o Canal de Suez antes da escalada dos ataques no Mar Vermelho, segundo a empresa de logística CH Robinson.

Matthew Burgess, vice-presidente de serviços oceânicos globais da empresa, disse que a capacidade global de transporte marítimo ainda será limitada por um tempo.

“Haverá uma escassez de espaço entre a Ásia e a Europa, no mínimo, nas próximas oito semanas devido ao tempo adicional necessário para utilizar a rota do Cabo da Boa Esperança”.

“Como vimos em interrupções anteriores no transporte global, a escassez de equipamentos vazios provavelmente ocorrerá rapidamente, o que aumenta ainda mais os atrasos porque as empresas podem precisar esperar duas a três semanas adicionais por um contêiner vago.”

Pelo menos por agora, os principais portos da Europa e dos Estados Unidos – incluindo o Porto de Roterdã, o Porto de Los Angeles e o Porto de Nova Iorque e Nova Jersey – tiveram um impacto limitado da crise do Mar Vermelho. Mas eles estão em alerta máximo para possíveis consequências.

“É mais uma interrupção na cadeia de abastecimento”, disse Gene Seroka, diretor executivo do Porto de Los Angeles. “Isso não vai desaparecer em três ou quatro semanas.”

E mesmo que os ataques parassem hoje, permitindo que a maioria dos navios transitassem pelo Mar Vermelho, os impactos anteriores ainda poderiam repercutir durante algum tempo, de acordo com Burgess da CH Robinson.

“As interrupções e atrasos já existentes levarão um tempo significativo para serem resolvidos.”

Hanna Ziady da CNN

Londres





ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Anuncie conosco

Visitas: 693083
Usuários Online: 9
Copyright (c) 2024 - REDE TVSUL - tvsulled@gmail.com