NO AR

REDE TVSUL

redetvsul.com

Mundo

Escândalos diplomáticos e sexuais, festas notórias e gafes marcaram trajetória de Silvio Berlusconi

Magnata da mídia e showman, uma das figuras mais extravagantes da política italiana, morreu nesta segunda-feira (12)

Publicada em 12/06/23 às 10:40h - 72 visualizações

por REDE TVSUL/CNN BRASIL


Compartilhe
 

Link da Notícia:

 (Foto: Silvio Berlusconi REUTERS/Tony Gentile/File Photo)

Impetuoso, efervescente e bilionário, quatro vezes primeiro-ministro Silvio Berlusconi foi um magnata da mídia e showman político cujos escândalos financeiros e sexuais fizeram dele a figura mais polarizadora da Itália moderna.

Ele morreu nesta segunda-feira (12) aos 86 anos, de acordo com a sua assessoria de imprensa.

Com uma autoconfiança inatacável e um forte espírito empreendedor, Berlusconi criou um império de negócios que, em seu auge, se estendia da construção à televisão, publicações, varejo e futebol de primeira linha.

Ele usou sua riqueza e proeza na mídia para se lançar na política em 1994, derrubando os partidos tradicionais de uma forma que outro magnata do setor imobiliário, Donald Trump, fez mais tarde quando foi eleito presidente dos Estados Unidos em 2016.

Muitos críticos de Berlusconi dizem que ele usou seu poder principalmente para proteger seus próprios interesses comerciais, apontando para o fraco histórico econômico da Itália, a burocracia obstinada e a corrupção desenfreada durante seus longos períodos no governo.

Ele mesmo disse que só entrou na política para travar a esquerda.

“A política nunca foi minha paixão. Isso me fez perder muito tempo e energia. Se entrei no ringue, foi apenas para impedir que os comunistas tomassem o poder”, disse ele à revista Chi em entrevista para marcar seu 80º aniversário em 2016.

Gafes e escândalos

Os eleitores repetidamente acreditaram em sua exuberância e Berlusconi sobreviveu a uma série de gafes e escândalos diplomáticos, incluindo alegações de que ele fez sexo com uma garota menor de idade e organizou orgias selvagens.

Mas ele ficou impactado com a escala da crise financeira da Europa em 2011 e teve que renunciar ao cargo de primeiro-ministro.

Nova derrota se seguiu na forma de uma condenação em 2013 por fraude fiscal, um veredicto que significou que ele foi temporariamente barrado do parlamento e destituído de seu querido título, Il Cavaliere, ou o Cavaleiro – uma condecoração do Estado.

Sob pressão financeira, ele vendeu seu amado time de futebol AC Milan, cujo sucesso em campo já refletiu seus triunfos políticos, enquanto seus esforços para transformar seu grupo de mídia em um gigante da transmissão pan-europeia nunca decolaram.

Desafiando a maré do tempo, Berlusconi fez campanha antes das eleições nacionais de 2022, mas seu famoso brilho havia desaparecido e seu outrora predominante partido Forza Italia (Vá, Itália!), dividido por divisões, obteve apenas 8% dos votos – sua pontuação mais baixa de todos os tempos.

No entanto, foi o suficiente para garantir um retorno ao governo como sócio minoritário em uma coalizão de direita, com o próprio Berlusconi conquistando uma cadeira no Senado, encerrando seu exílio parlamentar.

Tal como aconteceu com seu partido político, assim como com seu império empresarial, Berlusconi não deixou nenhum herdeiro aparente. De acordo com a lei italiana, todos os cinco de seus filhos receberão uma parte de seus bens, enquanto o Forza Italia pode lutar para sobreviver sem ele no comando.

Game shows de topless

Berlusconi nasceu em uma família modesta no Norte da Itália em 1936. Após passagens como cantor de navios de cruzeiro, ele fez sua primeira fortuna em negócios imobiliários em Milão nas décadas de 1960 e 1970. Berlusconi negou constantemente as repetidas acusações de que recebeu dinheiro da máfia para sustentar esses investimentos iniciais.

Tendo construído apartamentos, Berlusconi forneceu aos inquilinos seu próprio canal de televisão. Essa empresa rapidamente se transformou em uma rede nacional de fato que acabou quebrando o monopólio estatal, apresentando à Itália católica romana as delícias dos game shows de topless e das novelas americanas de baixo custo.

Sufocado pela burocracia da Itália, era quase impossível progredir sem patrocínio político e quando o principal protetor de Berlusconi, o líder do Partido Socialista Bettino Craxi, fugiu para o exterior para escapar de acusações de corrupção, o magnata decidiu entrar na política ele mesmo, batizando seu partido com o nome um hino de futebol.

Com a velha classe política varrida por acusações de suborno, os italianos engoliram as sorridentes garantias de Berlusconi de que ele sabia como consertar o país e, em poucos meses, o elegeram primeiro-ministro.

Seu governo durou apenas meio ano, com a coalizão desmoronando após a notícia de que ele havia sido investigado por corrupção ligada a seus interesses comerciais.

Problemas legais acompanharam Berlusconi ao longo de sua carreira política e ele foi condenado em pelo menos sete casos por acusações graves, incluindo subornar um senador e subornar juízes.

Essas condenações acabaram sendo anuladas em apelação ou varridas dos tribunais pelo estatuto de limitações que dá aos magistrados um determinado período de tempo para concluir seus processos – tempo que uma administração de Berlusconi reduziu drasticamente.

Berlusconi disse que foi vítima de perseguição judicial liderada pela esquerda e que o eleitorado ficou do lado dele, devolvendo-o ao poder nas eleições de 2001. Rejeitado em 2006, ele voltou em 2008, usando seu charme e habilidades de negociação para tecer frequentemente argumentativas coalizões de centro-direita.

No cenário internacional, ele cultivou um vínculo particularmente próximo com o presidente russo, Vladimir Putin – uma amizade que ele defendeu mesmo após a vitória da Rússia em 2022.

As relações de Berlusconi com os parceiros europeus costumavam ser complicadas, sobretudo durante a crise da dívida soberana de 2011, quando ele era visto como uma vulnerabilidade. Uma biografia, “My Way”, escrita por Alan Friedman, disse que as relações ficaram tão ruins que o então presidente francês, Nicolas Sarkozy, se recusou a apertar sua mão.

Relações de Berlusconi com os parceiros europeus costumavam ser complicadas / Nicola Marfisi/AGF/Universal Images Group via Getty Images

Bunga Bunga

Ao mesmo tempo, a vida sexual de Berlusconi estava sendo divulgada na imprensa mundial, incluindo detalhes chocantes de suas notórias festas “bunga bunga”.

Magistrados dizem que ele pagou milhares de euros por sexo com a dançarina de boate nascida no Marrocos, Karima El Mahroug, conhecida como “Ruby the Heart Stealer”, quando ela era menor de idade.

Ele negou, mas admitiu tê-la libertado de uma delegacia de polícia, dizendo que ela era sobrinha do então presidente egípcio Hosni Mubarak. Um tribunal finalmente o absolveu de fazer sexo com uma jovem, dizendo que ele não deveria saber que ela tinha menos de 18 anos.

Embora Berlusconi tenha menosprezado sua reputação de namorador, sua segunda esposa, Veronica Lario, não o fez e ela pediu o divórcio, dizendo que não poderia viver com um homem que “frequentava menores”.

Inicialmente, ela recebeu um dos maiores pagamentos de divórcio da história da Itália – 1,4 milhão de euros (R$ 7,36 milhões) por mês em pensão alimentícia. Mas, como muitas decisões judiciais contra ele, Berlusconi apelou e a quantia foi posteriormente reduzida a zero.

Os muitos escândalos cobraram seu preço e, em 2011, ele renunciou ao cargo de primeiro-ministro quando a Itália se aproximou de uma crise de dívida ao estilo grego. Uma multidão zombeteira gritou de alegria quando seu cortejo se dirigiu ao gabinete do presidente para entregar sua renúncia.

No entanto, com o passar dos anos, sua imagem danificada recuperou algo de seu antigo brilho e ele foi cada vez mais visto como um estadista mais velho que exerceu uma influência moderadora sobre as forças mais extremistas em seu campo conservador.

Quando ele foi hospitalizado em setembro de 2020 com Covid-19 grave, ele recebeu inúmeras mensagens de boa recuperação de todos os quadrantes, marcando sua reabilitação na sociedade italiana.

Ele nunca se casou novamente, mas em 2022 teve um casamento “simbólico” com sua parceira Marta Fascina, 53 anos mais nova, que usou um vestido de noiva branco para a cerimônia não oficial.

Berlusconi foi um dos personagens mais extraordinários do cenário político muitas vezes bizarro da Itália, uma figura extravagante cujas piadas obscenas por si só teriam matado uma carreira política na maioria dos países da União Europeia.

Depois que Barack Obama foi eleito o primeiro presidente afro-americano dos Estados Unidos, Berlusconi o parabenizou por ser “alto, bonito e bronzeado”.

Mas sua personalidade muitas vezes cômica e repetidas cirurgias plásticas escondiam uma mente política aguçada e um talento quase extraordinário para explorar os medos e preocupações dos italianos comuns.

O próprio Berlusconi não se arrependia de sua carreira política, embora sentisse claramente que era frequentemente traído.

“Tudo o que sei é que, tanto na política externa quanto na doméstica, nunca cometi um único erro”, disse ele à revista Chi em 2016. “Mas, quando penso nisso, não consigo me lembrar do nome de um único amigo na política.”

(Edição de Mark Heinrich, Andrew Heavens e Angus MacSwan)




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Anuncie conosco

Visitas: 693012
Usuários Online: 17
Copyright (c) 2024 - REDE TVSUL - tvsulled@gmail.com